A norma Ginga-J

Um texto de referência para o entendimento do middleware Ginga, a ser usado no sistema de TV Digital. Texto escrito por Valdecir Becker, do IMasters.

A norma Ginga-J

Está em consulta pública na ABNT a norma Codificação de dados e especificações de transmissão para radiodifusão digital – Parte 4: Ginga-J – Ambiente para a execução de aplicações procedurais, que especifica o uso da linguagem Java para o desenvolvimento de aplicações para TV digital Interativa. Até o momento apenas a norma Ginga-NCL, discutida nos texto anteriores desta seção está oficializada, prevendo as linguagens NCL e Lua para o desenvolvimento das interatividades na TV digital brasileira.

A norma Ginga-J ficará em consulta pública até 17 de julho. Qualquer pessoa ou empresa pode se manifestar sobre a norma, aprovando-a integralmente, reprovando-a ou sugerindo alterações. Nos dois últimos casos é necessário anexar um documento com a justificativa ou as alterações sugeridas, respectivamente. Depois desse processo, a norma volta para o Fórum do SBTVD, responsável pela sua redação. O Fórum fará as análises dos votos, podendo aceitar ou não as alterações sugeridas. Depois disso, a norma é enviada para o Comitê Consultivo do governo federal, responsável pela homologação da mesma. Esse processo deverá levar cerca de 90 dias, talvez um pouco menos, dependendo das burocracias do Fórum e do governo. Dessa forma, é possível lançar oficialmente a interatividade antes do natal. As emissoras de TV estão apostando em um “natal interativo” para a TV digital.

O Ginga-J é composto por um conjunto de API (Application Programming Interface,  Interfaces de Programação de Aplicativos), usadas para desenvolver todas as funcionalidades para a implementação de aplicativos para televisão digital. Isso inclui desde a manipulação de dados multimídia até protocolos de acesso. O middleware Ginga é obrigatório para todos os receptores com interatividade, compreendendo set top boxes, TVs com recepção digital embutida, computadores multimídia e clusters locais de aparelhos conectados via redes domésticas (Home Area Networks , HAN).

Essa norma completa as normas anteriores, incluindo a Ginga-NCL. Para o desenvolvedor de aplicativos em NCL e Lua não muda nada, pois é possível escolher em quais linguagens programar as interatividades. Pode ser NCL sozinho, Java sozinho, NCL+Lua, NCL+Java ou NCL+Java+Lua.
Como já vimos em textos anteriores,  o Ginga-NCL (ou Máquina de Apresentação) é um subsistema lógico do middleware Ginga que processa documentos declarativos NCL. Outros módulos importantes são o usuário baseado em XHTML, que inclui uma linguagem de estilo (CSS) e intérprete ECMAScript, e o mecanismo LUA, que é responsável pela interpretação dos scripts  LUA.

A norma em consulta na ABNT também faz parte do middleware Ginga, porém processa aplicações procedurais desenvolvidas em Java, que recebem o nome de Xlets. Um componente-chave deste ambiente é o mecanismo de execução do conteúdo procedural, que tem por base uma Máquina Virtual Java.

A arquitetura completa do middleware Ginga é mostrada na figura abaixo. O Ginga é estruturado de forma a organizar as partes comuns, que independem da linguagem de programação dos aplicativos, como segurança e gerenciamento de mídias e fluxos de áudio e vídeo. A máquina de execução é responsável pela decodificação dos Xlets, enquanto a máquina de apresentação trata as aplicações declarativas. Em caso de a aplicação declarativa conter código procedural Java, há uma ponte entre as duas máquinas, que executam simultaneamente.

É preciso ressaltar que essa arquitetura se aplica apenas a receptores fixos e móveis. Receptores portáteis não possuem máquina de execução, nem máquina virtual Java.

Apenas para atualizar o panorama da implantação da TV digital no Brasil, o processo está adiantado em quase dois anos. Vinte cidades já dispõem de sinal digital, sendo 16 capitais, compreendendo mais da metade da população brasileira. Os receptores, cujo preço abusivo foi muito criticado no lançamento da TV digital em 2007, custam menos de R$ 400,00. O único problema é que a maioria dos fornecedores está sem estoque, segurando as vendas para incluir a interatividade nos próximos lotes. Até empresas desenvolvedoras de aplicações têm tido problemas para adquirir quantidades maiores de set top boxes. As 20 cidades com sinal digital são: São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ), Goiânia (GO), Porto Alegre (RS), Curitiba (PR), Campinas (SP), Cuiabá (MT), Salvador (BA), Florianópolis (SC), Vitória (ES), Uberlândia (MG), São José do Rio Preto (SP), Teresina (PI), Santos (SP), Brasília (DF), Campo Grande (MS), Fortaleza (CE) e Recife (PE).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: