Minhas impressões – Campus Party 2011 – Dia 4 – 20/01/11

Veja também:

Olá caros amigos leitores,

Eis que chegamos ao 4º dia da Campus Party, mais da metade do evento já transcorreu e nos aproximamos da reta final. Abaixo vai o resumo rápido do que eu vi nesse quarto dia.

Panorama

Nesse quarto dia tudo ocorreu sem problemas graves, incrível! Não houveram quedas de energia e internet, para felicidade de todos 🙂 Me programei para assistir duas palestras, uma de JavaScript e a re-ascensão no cenário atual de desenvolvimento e outra sobre a Wikileaks e liberdade de informação. No resto do tempo aproveitaria a feira e a internet 😉

Confira os resumos das palestras abaixo.

Palestra: JavaScript: agora é sério – Luciano Ramalho

O Luciano Ramalho, muito conhecido na comunidade Python brasileira, trouxe para o público uma visão de como o JavaScript está em reascensão entre as linguagens, inclusive ganhando crédito com ele mesmo. As facilidades e suporte do HTML5, navegadores web (até do IE9, vejam só :-p ), o crescimento das plataformas móveis entre outros transformaram JavaScript numa opção muito “atraente” para aplicações baseadas em RIA.

Para introduzir o assunto para o pessoal, ele deu uma introdução acerca da linguagem (desmistificação do nome JavaScript, fundação do padrão ECMAscript, entre outros pontos). O artigo na Wikipedia acerca do JavaScript (em inglês) é aceito como uma das melhores referências iniciais sobre o assunto, até mesmo pelos acadêmicos.

Como foi desenvolvido pelo Netscape e pela fundação Mozilla, então é comum que as novidades, updates e suportes novos sejam testados e lançados primeiro no Firefox. Para quem é desenvolvedor essa é uma informação importante. O padrão suportado pela maioria dos navegadores é o ECMAScript3, mas a versão mais atual é o ECMAScript5.

Para quem é oriundo de linguagens do paradigma OOP, poderá encontrar alguns percalços para entender o paradigma de programação funcional (presente nas funções de primeira classe) e a tipagem fraca (muito observada na análise de validação de condições booleanas) de JavaScript, por exemplo. Uma crítica construtiva foi feita acerca disso: nos centros universitários do Brasil é comum o ensino da linguagem Java, em sua maioria (juntamente com C/C++ em outras). Os alunos não tem contato com outros paradigmas de programação. Seria interessante, para aquele que conhece Java, aprender outra linguagem funcional ou com elementos de programação funcional (importância do Programador Poliglota).

Iniciativas ligadas ao JavaScript, como o HTML5, Canvas, Node.JS e outras, fizeram JavaScript renascer e retomar importância no cenário da programação moderna. Por isso o título da palestra.

Para os interessados em discutir seriamente esse novo momento da linguagem o próprio Luciano criou o grupo JSPro, no Google Groups, para discussões avançadas sobre essas novas tecnologias.

Livros indicados? Dois:

Acessem também a tag JavaScript do Delicious do Luciano, #ficadica.

Abaixo os slides apresentados:

Visita as tecnologias da Área Expo

Aproveitei o hiato do horário do almoço e começo da tarde para visitar estande por estante da área expo. Eu e o Fabrício Campos fomos ver as novidades relacionadas a tecnologia por lá. Os mais bacanas foram o simulador de F1 da AMD, um desktop ligado a 5 TV’s (com resolução fina de 6000×1600) para jogar Street Fighter 4 (usando a tecnologia Eyenfinit) e o Kinect, que eu ainda não tinha visto em ação. Todos são muito interessantes, diversão na certa!

Para quem tiver oportunidade de comparecer como visitante: a programação de apresentações dos projetos “Campuseiros empreendem” e “Campuseiros inventam” está na área expo, com acesso livre ao público. Muitas idéias e startups estão apresentando projetos lá, venha conferir!

Para quem gosta de apetrechos “nerds” a LinuxMall está com um estande vendendo de tudo (verei se no último dia de evento compro uma camiseta…rs). O Terra está com a rádio Sonora aqui e umas picapes para DJ’s, depois irei para fuçar, dizem que tem uma balada silenciosa com fones de ouvido :-p O estande da Vivo está com alguns modelos de Tablet com Android para “teste drive” (ZTE, Dell e Samsung), apesar de eu ainda não curtir a idéia do tablet, vale pelo conhecimento da nova tecnologia.

Para os interessados em presenciar essa atmosfera do evento é um passeio legal (não deixando de ser nerd) para o fim de semana 😉 #ficadica

Debate: Toda informação deve ser livre? – Sergio Amadeu (UFABC), Fabio Zanini (Folha de SP), Marcelo Trasel (PUC-RS), Daniela Silva (Esfera)

A Wikileaks executou vazamento de documentos secretos dos mais variados países. Constrangeu governos e abriu um novo debate sobre os limites da liberdade de informação na era digital: tudo deve ser divulgado? Deve existir transparência completa? Sites que vazam informações sigilosas são aliados ou inimigos da democracia? Em cima das indagações desse preâmbulo, os debatedores formularam respostas e levantaram informações e teorias para explicar esse fenômeno.

No mundo tivemos uma boa parte da mídia apoiando a Wikileaks e divulgando o material proveniente dela de tempos em tempos, como El País (Espanha), The Guardian (Inglaterra), Globo e Folha de SP (Brasil).

Um dos documentos pioneiros que fez a Wikileaks sair do anonimato para o conhecimento do público comum foi sobre o acordo comercial antipirataria (Acta), um acordo para facilitar os membros das indústrias de direitos autorais e patentes dos EUA, algo que já estava sendo “tramado” a dois anos antes. O vídeo do helicóptero americano abatendo inocentes e 2 jornalistas da Reuters na guerra do Iraque foi “o fim da picada”.

Dentro desse panorama temos alguns confrontos para se pensar:

* Poder dos ativistas X poder da mídia tradicional – com o alcance da Internet, a maior interatividade do público com a informação e a facilidade de mobilização, a rede é tão poderosa (ou mais) quanto a mídia tradicional (que na maioria das vezes é apoiada pela máquina do estado);
* Quebra da infra-estrutura principal do site da Wikileaks X Levantamento de novos nós e endereços na rede (distribuição descentralizada de informação de todos os documentos, via torrent);
* Liberdade de expressão ambígua: Wikileaks X Falha de SP X Lula é minha anta (livro do Diogo Mainardi);
* Ditaduras do capital bloqueando as contas do Assange/Wikileaks (uso irregular do poder) X crimes políticos e burocracias judiciais para quebrar sigilo financeiro X DDOS (ataque ou forma de protesto?);
* Poder da rede distribuída de conteúdo e democracia virtual X Poder das operadoras de rede para a Internet nas camadas físicas (cabos e backbones) e lógicas (proxies) + interesses dos estados.

Os jornalistas da mesa revelaram que as matérias que saem no Globo e Folha de SP são feitas em parceria com o pessoal da Wikileaks. Discussões conjuntas são feitas para formatação e produção de conteúdo a ser divulgado, relativo aos documentos vazados (lógico, os de interesse de todas as partes).

A frase que marcou a apresentação pra mim, e que faz sentido pra todos os leitores tenho certeza, é:

“Nos dias de hoje o difícil não é falar, o difícil é ser ouvido.”

A comunidade, a rede de usuários e a democracia internética são os meios que nos permitem ser ouvidos.

Eu gostei bastante dessa palestra, deu pra ouvir coisas bem interessantes, ótimos pontos de vista e gerou muitas perguntas. Uma das perguntas foi minha ao pessoal da mesa, no fim do debate: o próprio EUA não pode estar sendo “beneficiado” e usando tudo isso como argumento para aumentar o cerco na internet? Em nenhum momento eles disseram “Não, tudo mentira, calúnia!”. Aceitaram tudo até agora calados… Assange é herói ou vilão nesse jogo de interesses? Quem é a Wikileaks na verdade?  #conspirationfeelings

E pra minha surpresa essa é uma das perguntas que um o Marcelo Trasel faria a Assange na entrevista do próximo mês para a revista Carta Capital 🙂

Participe de uma petição, divulgada pelo Sergio Amadeu acerca da liberdade de expressão e o direito à informação, contra a perseguição ao Wikileaks, ao FALHA de S.Paulo e ao CMI.

Conclusão

Com o saldo de quatro dias sinto que está sendo bem interessante seguir uma trilha mais voltada pra assuntos não-técnicos aqui na Campus Party (empreendedorismo, liberdade de informação, licenciamento de software, redes sociais, etc). Mas os assuntos técnicos também tem seus lugares (Node.JS foi bacana, TV Digital, Android, etc.).

Espero que tenham gostado. Amanhã divulgo o dia de sexta.

Até mais!

Anúncios

Uma resposta

  1. […] Minhas impressões – Campus Party 2011 – Dia 4 – 20/01/11 […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: