Minhas impressões – Campus Party 2011 – Dia 5 – 21/01/11

Veja também:

Caros leitores,

O último dia útil da semana aqui na Campus Party Chegou. Na segunda eu pensava: caramba, ainda faltam 6 dias de evento. Hoje penso: nossa, como passou rápido não? E eis que escrevo o post número 5 da série, espero que as informações presentes aqui sejam úteis pra vocês 😉

Panorama

Para o dia de hoje separei um tempo para mais uma palestra sobre empreendedorismo tecnológico no Brasil. Além de ficar no Campus usando o micro e me atualizando da abarrotada lista de informações das redes sociais, listas de discussão e do meu Google Reader, troquei conhecimento com o público sobre Android e oportunidades de mercado. Campus Party é conhecimento e bastante networking. Muito além dos 10Gb de rede 😉

Abaixo o resumo de hoje.

Campus Startup – O empreendedorismo tecnológico no Brasil – Gustavo Caetano (CEO da Samba Tech), Julio Vasconcelos (Fundador e CEO do Peixe Urbano), Marco Fisbhen (CEO da Descomplica) e Yuri Gitahy (Fundador da Aceleradora)


2010 foi considerado o ano em que se inaugurou a nova fase do “capital semente” no Brasil. Quais as características dos empreendedores vencedores no mercado de tecnologia, que condições eles enfrentam hoje, e o que os espera nos próximos anos? Essa foi a introdução desse debate.

Primeiro de tudo o pessoal foi indagado a cerca de quais fontes de empreendedorismo eles estão lendo, assistindo, acompanhando aqui no Brasil. O interessante é metade da platéia presente não estava acompanhando referências nacionais como Léo Kuba e Eric Santos. Pouquíssimos acompanhavam blogs e referências internacionais relacionadas a empreendedorismo. É imprescindível estar a par do que as melhores cabeças pensantes estão escrevendo. O blog “Saia do Lugar” divulgou um post com as melhores fontes de conteúdo sobre empreendedorismo nacional e internacional, confiram nesse link.

Uma observação boa foi uma analogia relativa a como escalar sua empresa em termos internacionais: caso Rick Martin X Sandy & Junior (Rick é porto riquenho mas começou fazendo sucesso nos EUA: de lá para um sucesso mundial. Sandy & Junior são “produtos nacionais”, não tiveram sucesso de aceitação no exterior). Pra deixar mais explícito: muitas empresas de países emergentes “se passam” como empresas americanas, até com matriz lá. Isso facilita a aceitação no próprio mercado americano e mundial. Um exemplo real é a Zoho, uma empresa de origem indiana, “praticamente americana” e com um mercado global já definido.

Se você procura abrir uma startup tenha em mente que:

  • Não crie uma startup com a intenção de vendê-la, mas pensando em fazer O negócio que você sempre sonhou e gosta de fazer. Empreender é aquilo que te move a levantar da cama todos os dias. É isso que vai torná-la rentável, útil, lhe trará satisfação, retorno de conhecimento e sentimento de ter cumprido com algo bom ao público;
  • Sempre busque formar equipes, nunca faça nada sozinho. Diferenças (gap’s) de conhecimento e visões (programador X marqueteiro X financeiro) são precisas, e aumentam as chances de se conseguir um investidor. Um cara sozinho só tem uma visão, uma idéia e se ele “surtar” lá se vai a empresa…
  • O tesão é ter um negócio, e não um projeto (síndrome do “estou fazendo”);
  • É essencial fazer prototipagem e testes do seu produto com os mais diversos usuários. Eles que vão direcionar o seu produto, plano e modelo de negócios, o famoso feedback. Não se esqueça de levar bastante em conta o que pensam seus “heróis” (as pessoas que você mais admira, e as primeiras que irão testá-lo, provavelmente);

Em termos de livros para ficar por dentro do assunto foi indicado novamente o Business Model Generation, o mesmo que havia ouvido falar no segundo dia de evento.

Duas boas fontes acerca do que ocorre no nosso cenário empreendedor:

OFF-TOPIC – Bate Papo com Tiago Leifert


Aproveitei o final da tarde para conhecer, ouvir as histórias e o relacionamento dele com as redes sociais. Sou um daqueles que, como ele mesmo disse, lá em 2009 ao ver o Globo Esporte mudar de apresentador pensou: “Mas que diabos esse muleque branquelo tá fazendo aí? Cadê a Glenda Kozlowski?”. Ele realmente usou da sua visão moderna, experiência de estudo e vivência no exterior para mostrar como o uso de elementos das redes sociais poderia ser benéfico em um dos programas que há anos vinha sendo muito “quadrado”. Com o tempo passei a gostar do estilo dele, e ele se consolidou bem no Globo Esporte.

Hoje até mesmo aqueles que não gostam de esportes assistem o Globo Esporte, pelo dinamismo, bom humor e maneira simples de expressar as informações sobre os mais variados assuntos. O próprio Tiago definiu o globo esporte como “um Youtube de esporte”, ele simplesmente fala (sem usar teleprompter) e mostra o vídeo.

A principal rede social usada por ele é o Twitter, da qual ele não abre mão de gerenciar sozinha, ser franco e sincero com os telespectadores e usuários da rede social, e defender ferozmente a liberdade de expressão. Um pouco dessa democracia das redes sociais está presente no programa, no modo de trabalho da equipe dele, e em outros lugares da globo. As matérias na Globo sobre o #calabocagalvão e #diasemglobo, que geraram repercussão no Twitter, no mundo e capa da revista Veja, foram produzidas por Tiago Leifert, que soube tirar proveito das mídias sociais e de um momento controverso a favor da pessoa Galvão Bueno e Rede Globo, um caso a ser estudado.

No total ele se deu muito bem com o público. É uma pessoa bem articulada, que está sabendo usar as redes sociais para o bem da sua própria imagem e para o trabalho profissional que ele executa, juntamente com as pessoas que fazem parte da equipe dele, fazendo assim (pelo menos um programa, que seja o primeiro de muitos) uma TV um pouco mais descolada, que use uma única linguagem para aproximar todos os públicos.

Área de Modding – Overclock


Essa foi a primeira vez que visitei a área de modding. Fui interessado nas apresentações da AMD com overclock de CPU’s, muito me lembrando dos vários vídeos que antigamente assistia sobre o Tom’s Hardware. O objetivo da noite era colocar um processador AMD Phenon rodando a 7GHz, resfriado a nitrogênio líquido. O outro era calcular o PI, com certo número de casas em 10s usando o SuperPI.

A seguir o link para a reportagem: http://www.mundotecno.info/noticias/demonstracao-de-overclock-ao-extremo-agita-a-noite-da-campus-party-brasil

E abaixo alguns vídeos que gravei:

Conclusão

Este penúltimo dia útil de Campus Party foi produtivo no sentido de ter feito mais networking (novidades relacionadas ao @EuAndroid e eventos em breve) e angariado mais conteúdo pro meu portifólio. Apesar de os problemas, que se tornaram cotidianos, do evento continuarem (alguns reboots rápidos de roteador, quedas e gargalos de rede), está valendo a pena ficar aqui.

E amanhã provavelmente será o último dia de conteúdo dessa transmissão. Domingo farei um email de encerramento e consolidação dos fatos, aguardem!

Até mais!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: