Minhas impressões – Ruby+Rails no mundo real 2010 – 29/05/10

Caros amigos e leitores,

Vou escrever nesse post uma cobertura acerca do que ocorreu no evento do dia de ontem e que estive presente, o Ruby+Rails no mundo real 2010, em sua segunda edição. No ano passado também estive presente nesse mesmo evento e fiz um post de cobertura do que aconteceu. Esse ano vou “repetir a dose”…rs. Confiram abaixo!

Panorama

Ontem foi mais um sábado perdido…brincadeira…mais um sábado dedicado a angariar informação ao “portifólio de conhecimento”, como gosto de citar. Estive nesse evento juntamente com o colega de empresa Fabrício Campos. Estávamos motivados e com expectativa alta para a segunda edição do evento, muito pelo que ocorreu no ano passado. Para mim foi a segunda participação no evento, Fabrício estava participando pela primeira vez.

A localização (e a manutenção do local do evento, mesmo do ano passado) do Century Flat facilitou bastante a chegada até o local, muito pela variedade de vias de acesso e disponibilidade de transporte público até a Av. Paulista. Cheguei com um pouco de antecedência (cerca de 8h35 da manhã), fiz meu credenciamento e aguardei até as 9h00 para o início.

Consegui um bom lugar para me estabelecer: perto de tomadas 🙂 Assim consegui manter meu notebook e celular “vivos” até o fim do evento! Apesar de no “fundão” o pessoal ter passado alguns “apertos” para visualizar alguns slides com código…

Abaixo vou colocar um resumo, informações e alguns apontamentos pessoais do que conferi “in loco”.

Wilian Molinari – Abertura do evento e o GURU-SP


Wilian Molinari, a.k.a PotHix, fez a abertura do evento contando para o pessoal o histórico sobre a idéia de criação do GURU-SP, e como eram as primeiras reuniões do grupo: o primeiro e segundo encontro tinham poucas pessoas (cerca de 3 ou 4). As reuniões eram esporádicas, mas conforme a lista de discussão crescia o desejo de se criar um evento crescia também. Assim o “Ruby+Rails no mundo real” (edição 2009, primeiro do grupo) foi bastante produtivo e aumentou consideravelmente o número de inscritos na lista.

A partir disso a comunidade Ruby aqui em SP cresceu e se tornou bastante sólida e ativa. As palestras subseqüentes (a maioria nos encontros mensais do grupo) foram melhores e com mais pessoas. Os encontros tornaram-se mais constantes e muitas outras empresas passaram a apoiar a o GURU-SP (inclusive a que trabalhamos eu e o Fabrício hoje: Voice Technology, que já recepcionou uma das reuniões do GURU-SP).

O GURU-SP hoje conta com alguns projetos e atividades:

Finalizando a abertura, foi passado um vídeo com uma mensagem do Matz (criador do Ruby) para o GURU-SP:

Abaixo a apresentação do PotHix na abertura (via Slideshare):

Douglas Campos & Scalone – Processamento batch – Escalando um sistema sem “fermento”


Nessa primeira palestra, @qmx e @scalone centraram as atenções para o conceito de processamento em batch, fazendo um paralelo (um tanto quanto extenso…) com a produção de pão.

A linha principal de raciocínio era: quando sua aplicação cresce muito e “escala sem esperar”, uma hora ela fatalmente não vai suprir a demanda(e “de repente” vai cair). Nesse ponto é preciso analisar alguns pontos e procurar um culpado (lógico! rs). O banco de dados (DBA), infra (sysadmin), entre outros são os primeiros da lista. O desenvolvedor nunca é o culpado (o famoso: “Eeeuu…que isso….eu não erro” rs). Por isso conhecer e saber desenvolver um sistema que possa processar múltiplas tarefas é necessário.

Para isso eles deram como “solução” o uso de dois processadores de tarefas: DJ e BJ.

Para um processamento de imagens pesadas em batch (ou conversão de vídeo), por exemplo, o mais indicado é uso do DJ. Abaixo algumas características:

Vantagens

  • Documentação e tutoriais vastos;
  • Curva de aprendizado baixa.

Detalhes

  • Sinatra-dj;
  • Compatível com rails > 2.2;
  • Usa daemon ou worker.

Desvantagem

Exemplos de código

Uma outra biblioteca útil para trabalhar em conjunto com o DJ é o delayed_paperclip.

Abaixo as informações acerca do outro framework, o BJ:

Vantagens

  • Mais simples e robusto;
  • Instalação fácil;
  • Curva de aprendizado mais baixa que o DJ.

Desvantagens

Um ponto importante que deve ser sempre ressaltado: DJ e BJ não são balas de prata. Uma outra ferramenta citada na apresentação foi o resque, usado em conjunto com o Redis (banco de dados NoSQL), para criação de filas de uso muito mais rápidas e escaláveis. Tem uma interface de administração legal e é uma solução muito valiosa.

As seguintes ferramentas de monitoração para soluções de processamento em batch foram dadas: Monit, God, Munin. E toda essa palestra se baseou em cases de sucesso, como o da própria AutoSeg (empresa onde trabalham ambos os palestrantes) e GitHub. Aliás, o GitHub também usa um servidor chamado Unicorn, que é faz parte das muitas soluções usadas pelo site para manter-se no ar com estabilidade.

Uma outra fonte muito legal sobre o assunto, que encontrei em pesquisas (o autor desse post mesmo…rs), foi um post do Tobin Harris intitulado “6 ways to run background jobs in Ruby“.

Para encerrar, só queria citar o ponto de que ambos os palestrantes estavam muito dispersos, divagaram demais no começo da apresentação. Até chegar na parte técnica mesmo foi “muito pão e poucas explicações claras”. Houve demora pra chegar no “core” da palestra (apesar das boas pitadas de humor). Mas tirando isso tudo certo…rs.

Abaixo confiram o vídeo da palestra (“produções Agaelebe”, by Hugo Borges, que gravou o evento todo e irá disponibilizar os vídeos a medida do possível):

[blip.tv ?posts_id=3716284&dest=-1]

A apresentação no Slideshare:

David Paniz e Leonardo Bessa – Entendendo metaprogramação e por que magia negra não existe (Voodoo é pra jacu)


O objetivo da apresentação, totalmente cercada por exemplos práticos (e a frase de título foi devido aos exemplos usando classes com o nome “Pica-pau”), era conhecer por dentro a metaprogramação e como ela realmente funciona  dentro da linguagem Ruby. Ambos os palestrantes demonstraram o porque não é um bicho de “sete cabeças” mesmo…rs.

Primeiramente, a definição da Wikipedia para metaprogramação é complicada:

“Metaprogramação é a programação de programas que escrevem ou manipulam outros programas (ou a si próprios) assim como seus dados, ou que fazem parte do trabalho em tempo de compilação.”

O correto seria : Metaprogramação é escrever código que escreve/gera código. Assim fica mais claro (!).

Em Ruby é totalmente aceitável aproveitar as open classes, ou seja, a facilidade que a linguagem dá pra mudar o comportamento de objetos em tempo de execução, ao contrário de outras linguagens (Java e C#, por exemplo). Mas, usar e abusar disso não é legal: deve ser feito com responsabilidade e a medida que for necessário usar, sempre com comprometimento e responsabilidade.

Na apresentação as demos mostradas eram exemplos práticos dos mais variados assuntos: eu realmente posso adicionar um método a um objeto? onde o método fica? que tipo de objeto pode definir métodos? Métodos são adicionados em classes ou objetos?

E para complementar o assunto houveram definições de Singleton Class, Metaclass e EigenClass. Apesar de ser um assunto fora do meu conhecimento, consegui “pescar” alguns conceitos. 🙂

Abaixo o vídeo da palestra, gravado pelo Agaelebe:

[blip.tv ?posts_id=3728666&dest=-1]

E a apresentação no Slideshare:

Hugo Baraúna – Keynote: O que há de novo no Rails 3?


Hugo Baraúna, desenvolvedor Ruby/Rails há 3 anos na Plataforma Tecnologia (empresa focada em projetos/coaching em Rails, onde trabalha também José Valim, core Rails), trouxe um overview acerca das novidades do Rails 3, a ser lançado no segundo semestre de 2010. A maioria das informações se encontram no RailsGuides.

Abaixo os pontos, informações e mudanças mais importantes:

Para quem estiver interessado,  a Plataforma mantém um profile no GitHub com alguns projetos relacionados a Rails 3. Abaixo 2 deles:

  • Mail Form: “Send e-mail straight from forms in Rails with I18n, validations, attachments and request information”;
  • Responders: “A set of Rails 3 responders to dry up your application”.

Abaixo o vídeo da palestra, gravado pelo Agaelebe:

[blip.tv ?posts_id=3721460&dest=-1]

E os slides presentes no Slideshare:

Marcelo Castellani – Rhodes, um framework para o desenvolvimento de aplicações nativas para smartphones usando Ruby


Essa para mim era uma das principais palestras do evento, pois já tinha ouvido falar dessa ferramenta (além do Titanium, que é open source também), para construção de aplicativos para dispositivos mobile (leia-se smartphones) multiplataforma.

O mercado mobile é muito promissor e já é uma realidade, fato. Há perspectivas para que no ano que vem existam mais acessos a internet pelo celular do que pelo Desktop (leia uma das fontes da notícia aqui). Portanto, conhecer e dominar técnicas de escrita de aplicativos para o mundo mobile, e não só para Desktop ou Web, é necessário.

Abaixo uma listagem das features do Rhodes, citadas pelo Castellani na apresentação:

  • Faz parte da “família Rhomobile“, composta pelo Rhodes, RhoSync e Rhohub;
  • Suporte a Iphone OS, Android, Blackberry, Symbian e Windows Mobile. Ou seja, praticamente 95% do mercado;
  • As aplicações são nativas mesmo, para cada plataforma. Não há aplicações web rodando por baixo e mascaradas;
  • O Rhodes possibilita a criação de aplicativos de celular com linguagem Ruby, ou seja, existe ganho de produtividade;
  • A API é bem extensa para todos tipos de celulares;
  • Rhodes é open source 🙂 ;
  • Como vantagens podemos citar uns dos lemas do Java 😉 : Write once, Run everywhere;
  • Há abstração de hardware (não há necessidade de saber a arquitetura física do celular);
  • RhoSync é pago 😦
  • RhoHub tem um plano Free e outros pagos 😦
  • Programa interessante para análise: Pivotal Tracker (Traker-r);
  • Instalação: gem install rhodes / rhodes-setup.  “Very easy” 😉
  • Atenção: o interpretador de Ruby do Rhodes é um subset do Ruby 1.9, portanto não há algumas funcionalidades da linguagem;
  • A parte de persistência é feita através do Rhom: é um mini object mapper disponível no Rhodes (como se fosse um Active Record);
  • É possível criar splash screen (tela de carregamento da aplicação), páginas de tratamento de erro, pode-se definir arquivos específicos por plataforma, usar GPS, câmera, etc;
  • Para usar GPS na aplicação é preciso implementar Ajax. A plataforma Blackberry é a única que não suporta Ajax;
  • Existe uma biblioteca para implementação de testes: Mspec;
  • Licença: livre para aplicativos open source; 1000 dólares para aplicativos que forem cobrados.

Castellani tinha uma hora para apresentar e terminou em 45 minutos (!). Ao final muitas perguntas foram feitas e o pessoal realmente achou o assunto interessante!

A apresentação no Slideshare se encontra abaixo:

E o vídeo da palestra no blip.tv:

[blip.tv ?posts_id=3730009&dest=-1]

Anderson Leite – BDD e Cucumber


Antes de iniciar a sua palestra (e após um longo hiato de espera onde o pessoal dispersou…), Anderson Leite informou ao público que a nova reunião do GURU-SP está marcada previamente para o dia 26/06/10. Mas a data pode ser alterada (pois já existem outros eventos oficiais marcados, como o Agile Brazil e o Profissão Java, por exemplo).

A respeito da palestra, a mesma se centrou em 3 pontos: BDD, Cucumber e Cobertura de testes.

A idéia central é que um software deve ter testes, e devem estar de acordo com a visão do cliente, com o comportamento do software e daquilo que pode ser útil/com finalidade. É sabido que cerca de 80% de um software não é usado pelo cliente final.

Para nos auxiliar a fazer aplicações de valor (usando Ruby) a implementação dos conceitos de BDD se torna necessária. Algumas informações adicionais:

  • Livros indicados para leitura: The RSpec Book e Domain Driven Design;
  • Frameworks de teste baseados em BDD necessitam de uma linguagem de domínio;
  • A linguagem de domínio no BDD deve ser baseada na visão dos stakeholders;
  • No BDD faça o suficiente. Sempre entregue de valor real. Tudo é comportamento. Prefira algo “sem papelada”.

O Cucumber é uma ferramenta para a linguagem Ruby, baseada em BDD, que dificulta a perda de informação acerca de um domínio entre cliente, desenvolvedor e testadores. O Anderson fez alguns exemplos práticos, mostrando cenários de teste, mas para não “chover no molhado” nesse post e colocar informação repetida, eu indico algumas referências para o aprendizado:

Para encerrar ele indicou um projeto para cobertura de testes: relevance-rcov.

E lembre-se: escrever código sem testes é uma #putafaltadesacanagem

Abaixo a apresentação no Slideshare:

E o vídeo no blip.tv:

[blip.tv ?posts_id=3737359&dest=-1]

Cassio Marques – Refatorando Ruby – Técnicas de Orientação a Objetos e Design Patterns Aplicados a Linguagens Dinâmicas


Essa foi a última palestra do evento, ufa! Mas não é aquele “ufa!” de “putz, não vai acabar essa joça não…”, pelo contrário: essa não foi aquela palestra que você não vê a hora de terminar para ir embora. Cassio Marques segurou o público até o final com um tema muito bom e de grande interesse do pessoal, inclusive o meu!

Para explicar e pensar no assunto precisamos responder algumas perguntas como: O que é refatorar um código? Porque mexer no código? Se o código está funcionando porque vou mexer??

As motivações, ou melhor, razão para refatoração em código são muitas:

  • Muitas pessoas usam Ruby mas não sabem orientar a objeto (ainda tem dúvidas do paradigma Procedural x OO);
  • Raciocínio estático;
  • Uso de linguagem nova mas usando hábitos antigos;
  • Organização de código;
  • Modularizar o código;
  • Facilitar manutenção e compreensão do código.

E quais as motivações para usar Design Patterns:

  • Ajuda Ruby a ser “Enterprise”;
  • YAGNI” (eu não conhecia esse termo não…rs!).

E não esquecendo de que escrever, ter uma suíte de testes escritos e uma cobertura de testes é necessário pra verificar uma refatoração.

As dicas sobre refatoração foram:

  • Mantenha seus métodos pequenos e facilitando compreensão e coesão;
  • Dê nome aos parâmetros dos métodos;
  • Uma classe não deve realizar trabalhos que não estejam relacionadas a ela! Tenha coesão;
  • Substitua “números mágicos” por constantes;
  • Encapsule variáveis/propriedades de objeto (como getters e setters do Java);
  • Substitua condicionais por polimorfismo;
  • Simplifique expressões condicionais;
  • Padrões que valem ser estudados para Ruby: Command, Strategy, Delegation.

Abaixo a palestra, disponibilizada pelo Cassio Marques. Deixo meus parabéns para o mesmo pela apresentação e responsabilidade de fechar o evento!

O vídeo gravado e disponibilizado no blip.tv pelo Hugo Borges (@agaelebe) está abaixo:

[blip.tv ?posts_id=3737667&dest=-1]

Conclusão

O evento superou minhas expectativas? De certo modo não, de certo modo sim…(momento Cléber Machado…rs). Se eu fosse comparar com o evento do ano passado, na minha concepção, a grade de palestras do ano passado foi melhor. Esse ano o nível de palestras foi bom (nota 7). O diferencial, sem dúvida, foi a interação do pessoal, que fez muito mais networking e estava muito mais ativo em relação ao ano passado, junto com o aumento do número de patrocinadores e estandes de empresa no local.

Na minha concepção:

Pontos negativos

  • Coffee break fraco;
  • Wi-Fi muito lento e instável. Ano passado não houve disponibilidade de sinal, e esse ano foi praticamente se não tivesse também;
  • Tela de projeção muito baixa, dificultando visão do pessoal do fundo da sala;
  • Houve um hiato muito grande entre a palestra do Castellani e do Anderson, fora o sorteio e o problema do datashow. Nesse momento o pessoal dispersou no “fundão” do local…

Pontos positivos

  • Boa localização
  • Fabrício Campos foi sorteado e ganhou uma mochila da Localweb com alguns brindes dentro! 🙂

Para aqueles que queiram ver fotos do evento, vejam os links abaixo:

E quem quiser acompanhar os tweets do evento:

O Ricardo Almeida escreveu um post no site #horaextra, contendo as apresentações e vídeos das palestras.

Bem, acredito que seja isso que eu queria passar. Espero que vocês tenham gostado da cobertura e conforme as palestras, ou informações adicionais, forem liberadas eu atualizo o post.

Nos vemos no Ruby+Rails no mundo real 2011 e viva a comunidade Ruby em Sampa!

Até mais!

Ebook gratuito sobre Google App Engine (GAE) disponível para download

Romin Irani, autor do Blog Google App Engine Java Experiments, publicou um ebook completamente gratuito sobre como desenvolver aplicações Java no Google App Engine. Segundo críticas, o livro é excelente e conta com mais de 200 páginas abordando detalhadamente tudo o que é preciso saber para desenvolver aplicações no GAJ usando Java.

Baixar o Ebook

Link: http://gaejexperiments.wordpress.com/gaej-experiments-ebook/

P.S. : “Pinçado” do site JavaFree.org.

Getting Started with Grails, Second Edition – E-book (Download)

Nesses últimos dias venho lendo algumas matérias sobre Grails, esse framework de várias vantagens em produtividade, clareza de código e similaridade/compatibilidade com a plataforma Java.

Ressalto que na edição número 39 da Revista Mundo Java (15 anos de Design Patterns) há uma matéria do assunto, a qual já li e gostei (Grails – Um caso de Sucesso – Autor: Felipe Rodrigues de Almeida).

Hoje, lendo o InfoQ, existe disponível um e-book gratuito para download sobre o assunto, intitulado “Getting Started with Grails, Second Edition” (Scott Davis & Jason Rudolph).

Você pode adquirir o e-book gratuitamente por esse link. Se preferir, pode solicitar a versão impressa por $22,95 (acesse esse link).

Resumo

Grails is a Java- and Groovy-based web framework that is built for speed. First-time developers are amazed at how quickly you can get a page-centric MVC web site up and running thanks to the scaffolding and convention over configuration that Grails provides. Advanced web developers are often pleasantly surprised at how easy it is to leverage their existing Spring and Hibernate experience.

“Getting Started with Grails” brings you up to speed on this modern web framework. Companies as varied as LinkedIn, Wired, Tropicana, and Taco Bell are all using Grails. Are you ready to get started as well?

160 pages, 6″ x 9″, ISBN: 978-0-557-18321-0

Bom estudo e começo em Grails!

Referências sobre BDD – artigos para leitura

Para os interessados em aprender e entender o que é BDD, conhecer os conceitos essenciais dessa prática ágil, indico dois posts que li nesse dia de hoje, referências boas para quem busca respostas iniciais sobre assunto. Eis os links abaixo:

Ferramentas para BDD

Procurando por ferramentas para aplicar BDD?

Se você programa em Java pode usar um framework chamado JBehave. No site do projeto há um tutorial de 2 minutos (!) explicando o uso da ferramenta. Vale a pena dar uma passada por lá.

Se programa em Ruby use o framework Cucumber. O próprio site do projeto é bem completo e com muitas referências, inclusive para livros (o principal: “The RSpec Book: Behaviour Driven Development with RSpec, Cucumber, and Friends”).

Caso eu encontre outras referências do assunto, estarei colocando no blog a medida do possível.

Até mais e bons estudos!

Minhas impressões – Sun Tech Days 2009/2010 – Dia 1 (08-12-09)

Caros colegas,

Participei na última semana do Sun Tech Days 2009/2010, evento que aconteceu aqui em São Paulo, contando com a presença de grandes engenheiros da Sun e de ícones da comunidade Java do Brasil, e que tive o privilégio de me inscrever por um “golpe de sorte”, pois abriram-se entre o dia 02 e 03 de dezembro 200 inscrições gratuitas do evento, e tive sorte de me inscrever com sucesso 🙂


Vou disponibilizar para vocês agora um resumo de tudo o que aconteceu de acordo com a minha ótica.

Panorama 1: Para chegar até o local…

Para chegar até o local não foi as mil maravilhas no dia 08 de Dezembro…

Na madrugada/dia dessa data em SP choveu demais e tivemos um índice pluviométrico não esperado para o período, totalmente fora dos padrões. Portanto, vias principais congestionadas e o conseqüente problema do transporte público sobrecarregado. Levei quase 2h30 para chegar até o local (saída: 6h50 – chegada: 9h10!). Graças ao Google, GPS e Maps consegui encontrar o local, pois não conhecia a região e este foi meu primeiro Sun Tech Days 🙂

Panorama 2: Após a chegada

Presenciei uma organização/sinalização de locais/palestras/auditórios muito boa, fora a prestatividade dos envolvidos. Para pegar o crachá de conferencista não demorei muito tempo, além do espaço ser abrigador da chuva (acima de tudo…rs). De cara pude comtemplar as presenças do Marcelo Leal (SUN), Carlos Fernando Gonçalves (JavaNoroeste), Jorge Diz, Vinicius Senger e Yara Senger (Globalcode). Andando mais um pouco visualizei o mito James Gosling (!). Esperei mais 10 minutos até poder adentrar ao auditório principal. Nesse “meio tempo” fui visitar os estandes dos expositores, alguns como OpenSolaris, Oracle (é claro), Sun (é claro [2]) e Locaweb.

Após isso adentrei ao auditório principal para a primeira palestra do dia. Para saber sobre todos os palestrantes acesse esse link.

Boas Vindas ao Sun Tech Days – Luiz Fernando Maluf


Para dar as boas vindas ao pessoal do evento, o diretor para a América Latina da Sun Microsystems, Luiz Fernando Maluf, fez uma rápida apresentação mostrando o cenário no qual se encaixam os desenvolvedores Java (e usuários de tecnologias SUN) e como eles estão relacionados com o panorama do mercado, retorno profissional, técnico e financeiro, visando aproveitar as oportunidades que surgem no mercado de hoje: fim da crise, uso e expansão da plataforma Java pela linguagem Java (e outras) e abordagens acerca de novas tecnologias, como TV Digital, por exemplo. Agradeceu aos JUG leaders de comunidades, caravanas e o público do evento que estava presente.

Showcase de Tecnologia: Inspire-se! – Simon Ritter e Angela Caicedo

Antes do “pai do Java” falar sua “visão futurista” da plataforma, Simon Ritter e Angela Caicedo apresentaram alguns exemplos de aplicação das tecnologias Java e Sun do momento.  As implementações e demos foram mostradas para o público.

Simon mostrou como JavaFX pode ser produtivo, gerando animações com figuras ou vídeos, para Web ou Desktop, sem escrever uma linha de código e usando apenas uma “interface amigável de arrastar, soltar, colocar botões e etc.”. No fundo é o JavaFX Platform Suite, que pode ser usado como plugin para ferramentas pagas como Adobe Photoshop, Illustrator e etc. O objetivo era mostrar a produtividade da ferramenta com o objetivo de criar aplicações RIA com pouco “trabalho” (vulgo escrita de código).

Angela Caicedo mostrou uma tecnologia que achei bem interessante: uma “lousa mágica” usando JavaFX. Se trata de uma lousa de vidro, transparente, que por trás dela havia um projetor multimídia (projetando um quadro negro, lousa) com um Wii Remote em cima captando sinais de movimento e toque feitos com uma luva (a qual ia tocando a lousa ou “escrevendo” na mesma). As respostas eram enviadas via bluetooth para um notebook que processava as coordenadas e passava para uma aplicação JavaFX. Com isso era possível relacionar na aplicação o ponto tocado e a significância disso: se era um botão ativado da aplicação que deveria abrir uma paleta de cores, se era para limpar o quadro e etc.

Esse exemplo mostrou a sinergia de algumas tecnologias, além de Java e soluções SUN, que podem gerar modelos inteligentes tão bons quanto o apresentado.

O que está acontecendo com o Java? – James Gosling


Após o showcase James Gosling subiu ao palco para o frissom dos presentes, que puderam comtemplar o “mito”. O overview de James Gosling estava relacionado com as novidades da plataforma Java: mais de um assunto foi abordado, como JavaFX, NetBeansGlassfishJava EE6 e etc.

Sobre o Glassfish foi mantido o discurso de ser o servidor de aplicação mais rápido, baixado e performático do mercado (lógico…rs). Foram mostrados “gráficos e informações comprovando”. O mesmo está a muito tempo na versão V2, mas a versão V3 (lançada no dia 10/12) terá suporte a Java EE 6. Gosling fez algumas demos mostrando um menor tempo de redeploy para as aplicações, quase instantâneo, evidenciando uma melhoria na capacidade de criação e manutenabilidade de projetos via Glassfish.

Uma das novidades mostradas pelo mesmo foi o lançamento da JavaStore, que no momento está disponível apenas para o público americano, mas que tem previsão de abrangência maior e sair da fase beta no ano de 2010.

Gosling e Tim Boudreau, especialista em Java Card, fizeram uma demo mostrando o novo suporte para contenção de aplicações Web, http e https, embarcados (um servidor web dentro de um chip!).

O NetBeans foi citado como IDE padrão e está na sua versão 6.8 com suporte a Java EE6 também (Gosling indica “jogar no lixo” o EmacsViEclipse, inclusive…rs).

No final da apresentação, e de praxe para eventos da Sun, muitos brindes foram jogados para o público (Camisas da Sun e “Dukes“).

Glassfish V3: O servidor de aplicativos de última geração – Sang Shin


Sang é um velho conhecido do Brasil e de Sun Tech Days: essa foi a sua oitava viagem ao Brasil. Ao olhar para o mesmo sabia que conhecia ele de algum lugar. Voilá! Me veio a lembrança de já ter visto um vídeo no youtube dele “dançando” em uma das edições do Sun Tech Days. Confiram abaixo e tirem suas conclusões…rs.

Alguns pontos a ressaltar da apresentação

  • O objetivo do Glassfish V3 é ser o melhor servidor de aplicações do mercado: é compatível com Java EE 6, modularizado (baseado em OSGi e usando Apache Felix), sem limites de containeres e pode rodar containeres Java ou não-Java;
  • Glassfish tem suporte a mais de 200 bundles OSGi e podem ser desenvolvidos outros mais;
  • Existem 3 tipos de bundles: relacionados a kernel, containeres ou serviços;
  • Monitoramento e gerenciamento através de console web e asadmin;
  • Facilidades de um ambiente composto por Netbeans 6.8 + Glassfish v3 + Java EE 6, tendo-se desenvolvimento e deploy de aplicações “sem dor” e com muito mais rapidez. O deploy/redeploy automático mantém sessões e informações existentes de sua aplicação, mesmo após restart do servidor.

Os demos executados durante a apresentação, e que embasavam a teoria passada, se encontram no site mantido pelo próprio Sang Shin, o javapassion.com (não acessar java.passion.com…é NSFW…rs.). Eis alguns abaixo:

No final de sua apresentação Sang convidou para subir ao palco Jerome Dochez, principal engenheiro da Sun no desenvolvimento do Glassfish, para responder algumas perguntas do público e apresentar o seu overview da nova versão.


Para os interessados, a apresentação de Sang se encontra disponível para download por este link.

JDK7: O futuro da plataforma Java – Simon Ritter


Simon Ritter trouxe um overview para o público com as novidades do JDK7. Os pontos mais relevantes escrevo abaixo:

  • JDK7 está pronto, aberto e em constante desenvolvimento pela comunidade, o JSE7 ainda não está pronto e precisa de alguns pontos para ser resolvido (no JCP);
  • Sobre a linguagem as mudanças são: annotations on java types (JSR308); Project coin e modularidade (JSR294). Vale lembrar que todas as mudanças estão aprovadas;
  • Sobre o core: Projeto Jigsaw (a JSR294 impacta tanto no core quanto na linguagem. Modularidade = Jigsaw); atualização em concorrência e collections (JSR166); novas API’s a respeito de IO (NIO2);
  • Suporte a linguagens dinamicas (da vinci machine project) e Garbage G1 são bem importantes e de grande relevância também;
  • Uma das mudanças interessantes foi o uso de números binários de forma declarativa (int b = 0b01010101, binary b = 0X09AB), separação de grupos de números long por underscore (Long l = 9_938_827_122) e Switch usando string;
  • Gerenciamento automático de recursos: cláusulas try/catch que sempre precisam de um finally para fechar algum recurso (alguma_coisa.close) agora não mais precisam. A JVM gerencia isso (!);
  • Multi catch (2 cláusulas de exceção com o mesmo tratamento): talvez possa voltar no JDK7;
  • Invoke Dynamic bytecode (JSR292).

Sobre o projeto Jigsaw, em particular:

  • O JDK é grande, muito grande (só no JDK6 temos 47 pacotes toplevel e mais de 4000 classes), um problema em relação a tempo de download de pacotes e tempo de startup de algumas aplicações, por se usar bibliotecas demais;
  • Há dificuldade de se criar uma “plataforma fina, concisa e leve”, principalmente para dispositivos mobile dos dias de hoje, por exemplo. Para isso foi criado o projeto Jigsaw.
  • Já existe um projeto  de OpenJDK baseado no JigSaw;
  • A intenção de “código modular” é criar código limpo e bem direcionando para uso, criando uma não dependência de código e uso de bibliotecas entre programadores (commiters) ou código implantado em cliente, não dando propósito a erro. Os módulos terão versionamento, portanto você poderá definir no seu código qual a versão do módulo que você vai querer usar na sua aplicação.

Nessa versão foi bastante pensado nas mudanças a serem feitas, para não cair no erro do assert (java 1.4) e enum  (java 1.5), fato que “quebrou muitos códigos” antigamente. Simon reiterou que “trabalhar mudando e adaptando java é realmente pesado”.

O Lançamento final do JDK está marcado para Setembro de 2010. A plataforma Java tende a fica mais poderosa e abrangente, sem dúvida.

Ginga, Lwuit, JavaDTV e você – Dimas Oliveira & Tamir Shabat


Dimas Oliveira é um grande conhecido da comunidade Java no Brasil quando o assunto é TV Digital. Referência, esteve presente no Profissão Java, Java@TV Digital e OpenTDCTamir Shabat, especialista em desenvolvimento com Lwuit e TV Digital foi palestrante no Java@TV Digital. Em todos esses eventos eu estive presente e vocês podem acompanhar os posts pelos links anteriores (o Java@TV Digital ainda hei de escrever). Nesse Sun Tech Days a apresentação de ambos foi um “compilado” do que já tinha sido apresentado nesses eventos. Abaixo algumas informações dessa apresentação:

  • Perspectiva de no próximo ano termos 25 milhões de tv’s ligadas ao sinal digital, ou seja, é uma oportunidade palpável e direta para desenvolvedores gerarem aplicações, sendo que no ano que vem o Ginga estará mais maduro e a disponibilidade de set-up-boxes tende a ser maior;
  • Histórico da TV Digital não é de hoje: desde 2005 há desenvolvimento;
  • Para que já conhece Java é preciso aprender cerca de 8% a mais de Java para desenvolver para TV Digital;
  • TV interativa = TV + aplicações (não é simplesmente um browser com acesso a internet na TV);
  • Locais de estudo: Forum SBTVDjavatv-developers.


No final da apresentação Tamir mostrou uma demo, usando NetBeans + Lwuit (for TV Digital), de uma aplicação interativa para TV Digital baseada em uma aplicação real que a Rede Globo estaria disposta a usar. Um set-up-box foi usado para demostrar ao vivo os exemplos de interatividade desta aplicação.

Ajuste no desempenho do GC – Simon Ritter


Simon baseou-se para sua apresentação em 4 pontos:

  • Opções para a JVM da Sun;
  • Garbage collector;
  • Garbage first;
  • Dicas para tunning do GC.

No início foi exposta a evolução do gerenciamento de recursos, onde antigamente o desenvolvedor era responsável por alocar e desalocar memória (em C: malloc and free; em C++: new and delete). Hoje no Java só é preciso criar os objetos (“new”). A JVM se encarrega de gerenciar a memória (Garbage Collector).

Basicamente temos 3 tipos de opções, quando gerenciamos o GC:

  • Standard options:  todas plataformas;
  • -X options: não são aplicáveis a todas as plataformas;
  • -XX options: -não são aplicáveis a todas as plataformas e podem precisar de privilégios adicionais para usá-las.

Para maiores detalhes, favor consultar a documentação da Sun.

As dicas mais importantes passadas pelo Simon foram:

  • multi processos e cores criam objetos novos (todos tentam acessar o eden ao mesmo tempo): Solução: -XX:TLABSize=size-in-bytes ou -XX:ResizeTLAB;
  • Serial: indicado para maioria das aplicações para desktop;
  • Paralelo: indicado para maquinas com multiplos cores e bastante memória;
  • “JVM ergonomics”: comece usando -XX:+UseParallelGC e -XX:+UseAdaptiveSizePolicy;
  • Rode a opção -server;
  • As opções -XX:MaxGCPauseMillis=n e -XX:GCTimeMillis=n podem performar, mas não são garantidas;

Sobre GC e escolhas de Design:

  • Serial (-XX:+UseSerialGC);
  • Paralelo (-XX:+UseParallelGC). Para Tuning: -XX:UseParNewGC  e -XX:ParallelGCThreads=n, onde n é o número de CPU’s;
  • Concurrent (-XX:+UseConcMarkSweepGC). Para Tuning: -XX:ParallelCMSThreads=n, onde n é um quarto do número de CPU’s ; -XX:CMSInitiatingOccupancyFraction; -XX:+CMSIncrementalMode (off); -XX:+CMSIncrementalDutyCycle=n% (indicado n=50));
  • Stop the world;
  • Compacting (-XX:+UseParallelOldGC);
  • Non compacting;
  • Coping.

Sem dúvidas o G1 terá melhorias consideráveis para performance e foram mostrados exemplos de diagramas de alocação de memória com as respectivas legendas. Para saber mais, faça o dowload de um paper da Sun sobre o G1, por esse link.

Programação JavaFX para dispositivos móveis – Angela Caicedo


A apresentação foi bastante técnica e com muitos exemplos de código e demos. Foi uma sessão voltada para desenvolvedores que já conhecem a plataforma JavaFX e a plataforma de desenvolvimento de dispositivos móveis. Em resumo foi passado:

  • Introdução a MIDlets, MSA e JavaFX Mobile;
  • Conceitos de Mobile RIA , MVC, “stage e scene” e construção de UI’s;
  • Migrando aplicações de JavaFX desktop para JavaFX mobile;
  • Melhores práticas de performance;
  • Mobile samples e adição de mídias;
  • Demos.

A idéia central é: existem várias aplicações e modos de aplicar JavaFX para mobile devices, e essa é uma tendencia do mercado.

É preciso saber trabalhar com Java Micro Edition,  MIDP e aplicações e Wireless Toolkit (JavaME SDK). Algumas API’s de Java são essenciais: java.lang e java.io, além das específicas para desenvolvimento mobile: java.microedition. Com isso você consegue criar, editar, compilar, debugar, empacotar, testar e fazer deploy de aplicações (ou seja, tudo…rs).

O ambiente indicado para isso: Netbeans 6.8 + WTK (Wireless Toolkit) 2.5.2/JavaMe SDK 3.0.


Em termos de desenvolvimento:

  • Java ME MSA platform (JSR248 – Mobile Service Architechture). Essa é a base e dá suporte a tudo: audio, vídeo, camera, SIP, bluetooth, etc;
  • Para construir aplicações  de UI no MSA use API de alto nível (MIDP 2.0 widgets): é fácil, rápido e tem a beleza nativa de UI;
  • Há outras API’s disponíveis: JSR226 (SVG Tiny 1.1), JSR184 (3d graphics API) e OpenGL, por exemplo;
  • JavaFX mobile cria RIA para mobile;
  • Ao invés de trabalhar com aplicações de media (gimp, photoshop), passar as imagens para o MIDP  e só depois portar para o celular, agora você pode usar qualquer ferramenta de media (gimp, photoshop, adobe), passar pelo editor de media do JavaFX e portar isso para JavaFX mobile direto ou trabalhar via Netbeans para depois portar;
  • Modelo MVC pode ser implementado: Model (dados e sua lógica), View (Rich UI) e Controller (regras de processamento).

Para maiores detalhes e exemplos: http://javafx.com/samples

Linguagens de criação de scripts: opções para a JVM – Simon Ritter


Finalizando o primeiro dia (ufa!) o lema foi: Languages everywhere. Para o JDK7 é imprescindível saber o poder das linguagens dinâmicas e as mudanças que elas trarão. No caso são 4 que se destacam, ou melhor, são as que realmente são levadas em conta: Groovy, Ruby, Scala e Clojure.

Mas porque o número excessivo de linguagens? Liberdade de escolha e diferentes linguagens resolvem problemas de tipos diferentes. Java + todas elas + JVM : muitos poderes! (domain specific languages).

Abaixo um resumo de cada uma delas:

GROOVY

  • Linguagem OO;
  • Sintaxe é muito similar a Java, além de ser compacta e concisa;
  • Groovy herda classes Java e implementa interfaces Groovy ;
  • Permite closure e sobrecarga de operadores (-, +, * ou /), uma “máxima” das linguagens de script;
  • Integração com Java via JSR223;
  • Use groovy quando precisar de novas features que Java não tem pois os códigos se aproximam muito;
  • Meta object protocol – MOP (provê comportamento dinâmico para groovy);
  • Livro indicado: Groovy in Action (Dierk Konig).

RUBY

  • Imperativo, funcional e reflexivo (suporta muitos paradigmas programacionais);
  • Excelente suporte a metaprogramação e reflexão;
  • Suporte a continuação (“congela” um ponto e pode voltar a um anterior);
  • Tudo em ruby é objeto;
  • Tudo é chamada de método (obj.fred é o mesmo que obj.send(:fred));
  • Métodos podem ser invocados com ou sem parênteses.

SCALA

  • Puramente orientada a OO e tudo é objeto;
  • Scala não permite overload do operador true;
  • Array index é acessado por () e não [];
  • Não tem pré ou pós incremento (i++ ou ++i);
  • Arrays são mutáveis (ao contrário de Java);
  • Scala não suporta membros staticos (usar singletons no caso!);
  • Scala não requer construtor (pode ser definido implicitamente num código anonimo e se quiser fazer overload pode usar this).

CLOJURE

  • Modelada em Lisp;
  • Linguagem functional;
  • Funções são stateless;
  • Todos os dados são imutáveis;
  • Tem algumas complicações pois é uma linguagem onde se deve conhecer “onde se colocar as chaves, parênteses, ou chaves”.

A “sacada” é estar por dentro do JDK7 que vai dar suporte a linguagens dinâmicas de forma mais aberta (InvokeDynamic bytecode – JSR292).

Conclusão do dia 1

Como não podia deixar de ser, uma “avalanche” de informação…rs. Apesar de já ter visto muitos dos termos apresentados em outros eventos, sempre é bom revê-los por outras pessoas e com outras explicações. O primeiro dia foi de bom grado para mim, até uma camisa da Sun eu ganhei 🙂 . E a volta para casa mais tranqüila…rs.

Amigos leitores, essa foi a primeira parte do meu relato desse evento. Agradeço desde já os que deram uma passada por aqui e publicarei o mais breve possível a parte 2 da história.

Até logo!

MakeWare Java versão 4.0.3 – (IDE de programação brasileira para a linguagem Java)

Mais uma IDE de programação para a linguagem Java, agora em português, com menos de 3Mb e feita por um brasileiro 🙂 . O único defeito é que é para Windows 😦 . Seguem as informações abaixo. Informação retirada do site JavaFree.org.

Para quem nunca ouviu falar do MakeWare Java, o MakeWare Java é uma ferramenta de programação que eu desenvolvi para o desenvolvimento de aplicações usando a linguagem Java. Você pode fazer várias tipos de aplicações com essa ferramenta: Aplicações para console, aplicações gráficas com formulários (como no Delphi), aplicações baseadas em sistemas distribuídos, Applets Java,Aplicações para Banco de Dados e até aplicações para celulares, com o J2ME.

No MakeWare Java você possui sete tipos diferentes de projetos, são eles:

– Projeto Java Simples : Neste tipo de projeto você pode trabalhar com o essencial do Java: classes, interfaces e pacotes. E você pode Criar:

– aplicações baseadas em console e,
– aplicações gráficas utilizando componentes Swing

– Projeto Java RMI: Neste tipo de projeto, você cria um modelo pronto de sistema distrbuído Java utilizando RMI (Remote Method Invacation). Nele você vai especificar o cliente, servidor e interface remota. Para que você tenha um exemplo do seu funcionamento, retire os comentários existentes nos cliente, servidor e interface.

– Projeto Java Corba: Neste tipo de projeto, você cria um modelo pronto de sistema distrbuído Java utilizando Corba (Common Object Request Broker Architecture). Nele você vai especificar o cliente, servidor e interface (IDL). Para que você tenha um exemplo do seu funcionamento, retire os comentários existentes nos cliente, servidor e interface.

– Projeto Java Applet: Neste tipo de projeto você cria aplicações applets em Java, onde toda a execução será exebida no seu browser.

– Projeto Java Socket: Neste tipo de projeto, você cria um modelo pronto para trabalhar com Sockets. Nele você vai especificar o cliente e servidor. Para que você tenha um exemplo do seu funcionamento, simplesmente execute o projeto, não é preciso descomentar nada. O Projeto Java Socket já possui agora um help.

– Projetos Java BD: Neste projeto é criado um modelo pronto que faz a utilização de mecanismos de banco de dados fornecidos pela linguagem Java, o JDBC (Java DataBase Connectivity). Também nesse projeto podemos fazer uso e criar uma fonte de dados ODBC (Open DataBase Connectivity), que funciona como um “alias” para o nosso banco de dados. No momento, o projeto Java BD só cria fotne de dados voltados para banco de dados Accesss.

– Projeto Java Mobile: Este é um tipo de projeto voltado para o desenvolvimento de aplicações Java para dispositivos móveis (J2ME). Para usar esse projeto, é necessário ter instalado o o Wireless Tool Kit da Sun(de preferência na versão 2.5.2 (versão atual)) voltado para dispositivos do tipo CLDC (Connected Limited Device Configuration). Para fazer o download deste prgrama, clique aqui. A instalação do Wireless Tool Kit NÃO É OBRIGATÓRIA, caso você não esteja interessado em desenvolver aplicações para dispositivos móveis, não precisa informar o diretório.

Observações sobre o Projeto Java Mobile : Quando você cria um projeto Java Mobile, é criada também uma pasta com o mesmo nome do projeto, quando você mudar o projeto para um outro local, leve essa pasta junto.

O MakeWare Java oferece diversos recursos que facilitam a vida do programador, como um analisar dinânico de erros de código, mostrando em tempo de projeto onde se encontram os erros daquele e , dependendo do erro, ele te da uma sugestão para você corrigir aquele erro.

O MareWare Java ainda oferece alguns utilitários que ajudam o usuário no desenvolvimento de suas aplicações, são eles: Você conta com um utilitário que realiza consultas SQL em um determinado banco de dados Access, caso vá trabalhar com banco de dados em Java. Você também conta com um utiliário que cria, de modo fácil, arquivos JAR (Java Archive). Um arquivo JAR é como se fosse um arquivo ZIP que contém todas as classes e entre outros arquivos que constituem uma aplicação Java.

O MakeWare Java faz tudo isso com apenas 2,88MB.

Pré-requisitos:

Para o MakeWare Java, é preciso que você tenha instalado o JDK, de preferência da versão 5.0 em diante.

Se por acaso você deseja criar aplicações para celulares , é preciso que você tenha instalado o Wireless Tool Kit, versão 2.5.2.

Para fazer seu download, visitem:

http://makeware.orgfree.com/mkjava.php

VRaptor 3 está liberado pra uso

Este ano participei do Falando em Java 2009, evento promovido pela Caelum. Lá  comtemplei a palestra “VRaptor3: Guerrilha Web” (para ver o report completo do evento, favor acessar o post escrito por mim e André Pantalião no Blog do Ensinar).

No evento foi anunciado e apresentadas algumas features da nova versão do VRaptor, a versão 3. Era previsto o lançamento para o mês seguinte (Junho/2009), mas só agora o mesmo foi liberado em versão beta.

Interessado? Acesse o site do projeto VRaptor. Para feedback, report de dúvidas, sugestões ou bugs entcontrados acesse o Fórum do GUJ (frameworks brasileiros).

Abaixo o vídeo da palestra no Falando em Java 2009.

P.S. : Informação retirada do Blog da Caelum.